Houve uma falha no carregamento do site, clique em recarregar para acessar.

Frases de Costa e Silva

Saudade! Amor de minha terra… O rio cantigas de águas claras soluçando.

Nessa teia de luz um mistério se encerra: Sabe-o a Aranha, cravando o enorme olhar que infunde a energia vital que há no ventre da terra.

Aracnídeo exemplo, almo e augusto, desvendo no Sol, como a ensinar que tudo se fecunde sempre, Aranha do Azul, véus de noiva tecendo…

Na remansosa paz da rústica fazenda, à luz quente do sol e à fria luz do luar, vive, como a expiar uma culpa tremenda, o engenho de madeira a gemer e a chorar.

Ringe e range, rouquenha, a rígida moenda; E ringindo e rangendo, a cana a triturar parece que tem alma, adivinha e desvenda a ruina, a dor, o mal que vai, talvez, causar…

Movida pelos bois tardos e sonolentos geme, como a exprimir, em doridos lamentos, que as desgraças por vir, sabe-as todas de cor.

Ai! Dos teus tristes ais! Ai! Moenda arrependida! — Álcool! para esquecer os tormentos da vida e cavar, sabe Deus, um tormento maior!

Passou de leve a Esperança pelo meu coração… Encantou-me no azul do meu sonho de criança: Ardeu como uma estrela… E era um pobre balão!

Doudo, sonho que o Sol é a maior das aranhas, –Tarântula do Azul – a ígnea teia da Vida

Tecendo caprichosa, a arrancar das entranhas rubros fios de sangue e de luz difundida.

Urde os fios e os prende, elo por elo, à urdida rede transluminosa, a alongar as estranhas antenas de ouro de fogo, e com a trama tecida estende véus iriais para além das montanhas…

Passou de leve a Alegria pelo meu coração… O Amor, dentro em meu ser, como um jardim, floria… Como é triste, meu Deus, esta recordação!

Passou de leve a Ventura pelo meu coração…

Como foi que passou, se a busco com loucura, sentindo-me infeliz por deseja-la em vão?

A divisa imortal de cavaleiro traço em campo negro. E, após, visto a armadura de aço. Preme a cota, a luzir, o meu peito desnudo.

Noites de junho… O caboré com frio, ao luar, sobre o arvoredo, piando, piando…

E, ao o vento, as folhas lívidas cantando a saudade imortal de um sol de estio.

Saudade! Asa de dor do pensamento! Gemidos vãos de canaviais ao vento…

As mortalhas de névoa sobre a serra…

Saudade! O Parnaíba – velho monge

Entre na sua conta Frases